segunda-feira, 1 de julho de 2013

Cia. de Dança Deborah Colker apresenta turnê "20 Anos"

Nó_espetáculo da Cia. de Dança Deborah Colker_http://bangalocult.blogspot.com
Espetáculo "Nó" será apresentado amanhã, no TTB

Tatyana_espetáculo da Cia. de Dança Deborah Colker_http://bangalocult.blogspot.com
"Tatyana" é baseado na obra de Aleksandr Púchkin


A Cia. de Dança Deborah Colker que já marcou presença tantas vezes em Aracaju com seus belos e inusitados espetáculos, apresenta a partir de amanhã, na capital sergipana, a turnê “20 Anos”, em comemoração às duas décadas de atividade do grupo. Para brindar a data, serão apresentados três espetáculos, no Teatro Tobias Barreto, começando amanhã, às 21h, por “Nó”; no dia 4, no mesmo horário, “Tatyana” e, nos dias 6, às 21h e 7, às 17h, “Velox”. 

 Pela primeira vez, Deborah Colker remonta o espetáculo “Velox” na íntegra. Concebido em 1995, “Velox” retrata a segunda criação da companhia e une o nascimento de imagens através de escalada numa parede feita por bailarinos-alpinistas. Cinco temas envolvem o fio condutor da apresentação: mecânica, cotidiano, alpinismo, lutas marciais e esportes. Os assuntos se unem e se transformam em movimento coreografado. São realçados o movimento, a beleza, a alma e a vitalidade do simples movimento.

 “Nó” reflete o desejo como o principal tema trabalhado coreograficamente nesse espetáculo dividido em dois atos. No primeiro, os bailarinos movimentam-se em um emaranhado de 120 cordas. Cordas que dão nós e simbolizam os laços afetivos que nos amarram. Cordas que servem para aprisionar, puxar, ligar e libertar.

No segundo ato, saem as cordas e o palco é ocupado por uma caixa transparente de 3,1 x 2,5 m, criado por Gringo Cardia. Neste aquário gigante, feito de alumínio e policarbonato, os bailarinos se enlaçam, atraem-se e opõem-se, atam-se e desatam-se. É uma metáfora do desejo daquilo que se ambiciona, mas não se pode realizar. Os bailarinos equilibram técnica e dança contemporânea em movimentos delicados e brutais.

Já “Tatyana”, espetáculo mais recente do repertório da companhia, foi montado em 2011. Também presente na turnê de 20 anos, a apresentação retrata um grande clássico da literatura universal- “Evguêni Oniéguin” – romance em versos, publicado em 1832 por Aleksandr Púchkin. 

A Companhia de Dança leva ao palco o próprio Púchkin, interagindo com as ações, desejos, pensamentos e transformações psicológicas dos quatro protagonistas de sua obra-prima. A música de compositores como Rachmaninov, Tchaikovsky, Stravinsky e Prokofiev embala essa jornada atemporal ao âmago de uma história de duelos, desencontros, paixões e decepções.

O ingresso para cada espetáculo custa R$ 80 e já pode ser adquirido na bilheteria do teatro. Para os portadores de cartão Petrobras e Força de Trabalho, o ingresso será vendido com 50% de desconto. Estudantes também pagam meia entrada. Passaporte para 2 espetáculos, dá  direito a 20% de desconto e para quem comprar para três espetáculos, 30% de desconto.

Crédito das Fotos: Walter Carvalho
Postar um comentário