sábado, 20 de outubro de 2018

42a Mostra Internacional de Cinema de SP- SEGUNDO DIA


Matt Dillon de volta à telona vivendo Jack, um serial killer

O dia foi agitado. Cinco filmes, sendo o primeiro deles, o mais novo trabalho de Lars Von Trier. O que dizer de "A Casa Que Jack Construiu?" Provavelmente, o filme em que o diretor dinamarquês destila o seu cinismo de forma mais contundente, chegando a criticar a inoperância do Estado e a conivência da sociedade, a partir do modus operandi do engenheiro e serial killer, Jack, interpretado pelo inexpressivo Matt Dillon (com a mesma cara talhada de "Drugstore Cowboy" (1989), só que mais enrugada).

Durante 12 anos, Jack matou algumas dezenas de pessoas, sem deixar vestígio algum. Enquanto ele conta suas peripécias sanguinárias para o misterioso Virgílio (Bruno Ganz), vamos nos familiarizando com suas obsessões, pulsões, habilidades e fraquezas. Em cada um dos cinco capítulos (nomeados de "incidentes") em que a história é dividida, vemos Jack abordar suas vítimas de forma cada vez mais ousada, testando os limites de sua sorte, na intenção de não ser descoberto pelas autoridades policiais. 

Enquanto vai descrevendo suas perversões, Jack não deixa de delinear sua personalidade macabra (revelando experiências vividas na infância) e seu gosto pela arte (discute com Virgílio sobre arquitetura, pintura e música como poucos). Querendo ser um virtuose na "arte de matar", Jack vai aprimorando sua técnica. Seus requintes de crueldade vão se intensificando, mas em compensação, sua mente, cada vez mais doentia, deixa brechas para a atuação da polícia e uma possível captura.

Nesse ponto, a trama já adentrou no epílogo e saberemos qual o destino do labirinto escuro que Jack e Virgílio estão percorrendo. A partir daqui, Lars Von Trier patina em terreno escorregadio, equilibrando-se, vez por outra (a exemplo de quando mostra a criação dos mitos pela sociedade) e caindo de queixo no chão (quando faz autorreferência). 

Esperava filme mais indigesto (baseando-se na repercussão que o filme teve em Cannes), mas Von Trier opta em criar situações de carnificina tão patéticas, que não consegui levá-lo a sério. A exceção fica por conta do terceiro Incidente. Destoa do resto do filme, aproximando-se da realidade, mas sendo, desnecessariamente, apelativa. Von Trier só consegue nos impactar usando golpe baixo. Uma pena!!

Ainda que em "A Casa Que Jack Construiu" Lars Von Trier esteja longe de sua genialidade dos tempos de "Ondas do Destino", "Dançando no Escuro" e "O Anti-Cristo", se você tiver um tempo na agenda, não deixe de conferi-lo. Ele será exibido em cinco ocasiões diferentes até o encerramento do evento.

Sobre os outros quatro títulos conferidos ao longo do dia- "Querido Ex", A Balsa", "O Alfabeto Greenway" e "A Guerra de Anna", tecerei comentários (por enquanto) sobre o segundo. Surpreendi-me com o documentário e primeiro longa , "A Balsa", do diretor sueco Marcus Lindeen. Não conhecia o experimento feito pelo antropólogo mexicano Santiago Genovés, que após passar pelo trauma de um sequestro num avião, em 1972, decide executar um experimento, num grupo de 10 pessoas (cinco homens e cinco mulheres) para testar a partir de situações de stress, questões como violência, sexo e comportamento em grupo.

Para isso, Santiago mandou construir uma balsa, sem motor e com dimensões suficientes para abrigar 11 passageiros ( ele, incluso), a fim de realizar uma viagem de três meses, saindo do Porto de Las Palmas (Espanha) até o México. Colocou um anúncio no jornal e selecionou os voluntários, que incluía um fotógrafo japonês (Elsuki Yamaki), uma capitã sueca (Maria Bjornstan), uma médica israelense (Edna Jonas), um padre angolano (Bernardo Bongo), um antropólogo uruguaio (José María Pérez), entre outros. 

Nem tudo saiu como Santiago planejou. Ele ficou doente durante a viagem e o resultado do experimento contrariou suas expectativas. Para transformar essa história em produto audiovisual, o diretor sueco Lindeen valeu-se do diário de Santiago Genovés transformado no livro "Acali", além do amplo registro imagético, produzido pelo fotógrafo japonês, como base para a narrativa. Aliado a isso, reuniu sete dos 11 sobreviventes, numa réplica da balsa construída em estúdio e os entrevistou.

Recentemente, o documentário brasileiro "Torre das Donzelas" de Susanna Lira reconstruiu em estúdio, parte do interior da prisão, em que militantes políticas foram encarceradas, durante a Ditadura Militar brasileira. A experiência trouxe à tona, lembranças adormecidas. Efeito similar aconteceu com os passageiros de "A Balsa".  O interessante é que, tanto em um filme, quanto no outro, apesar da disparidade existente entre os motivos que levaram esses personagens ao confinamento, o resultado foi similar: solidariedade, harmonia, paz.

"A Balsa" ainda será exibido mais três veze (hoje, dia 22 e dia 27/10), dentro da programação da 42a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.


Crédito da Foto: Christian Geisnaes

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

42a Mostra Internacional de Cinema de SP- PRIMEIRO DIA

Rachel Weisz e Olivia Colman se destacam em "A Favorita"

"Rir ou Morrer": destaque do cinema finlandês


No primeiro dia de maratona de filmes na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, assisti a quatro produções: "A Favorita" do grego Yorgos Lanthimos, "A Imagem Que Você Perdeu" do irlandês Donal Foreman, "Sofia" da marroquina Meryem Benm Barek e "Rir ou Morrer" do finlandês Heikki Kujanpää. Saldo mediano, tendo em vista que o primeiro e o último filmes foram bons, enquanto o segundo e o terceiro, medianos. 

O drama épico, com pitadas de humor, "A Favorita" talvez seja o filme de Lanthimos mais acessível, aquele com um tratamento mais tradicional na feitura da trama. Ambientado na Inglaterra do início do século XVIII, a produção explora a tão comum disputa de poder entre os nobres de uma realeza e o envolvimento entre a Rainha Anne (Olivia Colman), sua amante Sarah Churchill, a Duquesa de Marlborough (Rachel Weisz) e  a serviçal e ex-lady Abigail Marsham (Emma Stone).

O roteiro assinado por Deborah Davis e Tony McNamara, no entanto, usa a política como pano de fundo, concentrando-se nas relações interpessoais, sobretudo, entre as personagens femininas (a trinca de atrizes receberá um prêmio especial no Gotham Awards, dia 26 de novembro), onde Sarah e Abigail disputam a preferência de Anne- uma mulher doente e inapta para comandar um reino- na esperança de ascenderem politicamente ou socialmente.

Ainda que o elenco conte com coadjuvantes competentes como Nicholas Hoult (Robert Harley) e Mark Gattis (John Churchill), quem brilha mesmo são Emma Stone (mostrando maturidade a cada novo papel), Rachel Weisz (que dispensa elogios) e Olivia Colman (que demonstra aqui, o que podemos esperar de sua performance como a Rainha Elizabeth II, na terceira temporada de "The Crown").

Há de se destacar  a direção de arte caprichosa de Fiona Crombie e a direção de fotografia de Robbie Ryan. Este último, explora bem a luz natural tanto nos espaços ao ar livre, como nos cômodos do palácio (a locação utilizada foi a Hatfield House, em Hertforshire, na Inglaterra), não se descuidando de compor belos contrastes entre luz e sombra, nas cenas noturnas. Talvez, o senão do trabalho de Ryan, tenha sido o uso quase que contínuo de lentes grande-angulares (distorcendo os ambientes, principalmente, nas laterais da tela) e o excesso de planos  em contra-plongée. 

De qualquer modo, "A Favorita", é um filme correto no conteúdo, exuberante na forma e que já nasce com grandes chances de  arrebatar estatuetas douradas na festa de entrega do Oscar 2019. É aguardar para ver!!

Já "Rir ou Morrer" de Heikki Kujanpää é uma comédia dramática, baseada em fatos reais, onde num campo de detenção em uma ilha finlandesa, por volta de 1918, após a Guerra Civil naquele país, um grupo de atores, acusados de serem "rebeldes vermelhos", aguardam a hora da execução. Juntam-se a eles, Parikka (Martti Suosalo), conhecido como o ator mais engraçado do país, cujo humor aborrece o sisudo comandante do campo, Hjalmar Kalm (Jani Volanen). Na hora da execução, Toivo Parikka faz gracinhas para os soldados, antes desses receberem a ordem final do jovem Nyborg (Paavo Kinnunen).

Diante da hesitação de seu subalterno, Kalm decide lançar um desafio para Parikka: se o ator e seus companheiros montarem uma peça divertida para seus convidados alemães, eles não serão executados. A partir daí, acompanharemos o processo de ensaios da trupe, tendo como aliada a esposa de Kalm, Helen (Leena Pöysti), que vai se afeiçoando por Parikka. Mas nem tudo são flores nessa caminhada.

É interessante como o humor e o drama são dosados na medida certa, ao longo da narrativa, sem deixar pistas de como será o desfecho. Ainda que algumas interpretações beirem o caricato, no geral, o elenco está afiado e Leena Pöysti se destaca, compondo uma Helen altiva e generosa, ainda que em meio à rigidez militar que domina o ambiente em que convive.

Um título para se colocar na lista dos recomendados da 42a Mostra, sobretudo por conta dos tempos atuais, onde as pessoas esquecem do sentido da palavra solidariedade e da importância da arte como ferramenta de transformação do ser humano.

Quanto aos outros dois filmes, de diretores estreantes, confesso que não fui com muita expectativa para ver  "A Imagem Que Você Perdeu" de Donal Foreman. Irlandês, de 33 anos, Foreman começou a realizar filmes caseiros com 11 anos de idade e contabiliza dois longas e cerca de 50 curtas no currículo. Filho do documentarista e escritor norte-americano Arthur MacCaig- que cobriu uma boa parte dos conflitos entre as duas Irlandas-, ele resolve realizar um documentário mosaico, mesclando imagens de três décadas (anos de 1970, 1980 e 1990), onde sua história de vida, tumultuada pela ausência da figura paterna na infância, se confunde com as transformações políticas e sociais sofridas pelo próprio país natal. Apesar de curta duração (73 minutos), por vezes, o filme torna-se modorrento, devido à narrativa em off e a montagem pouco eficaz.

Quanto ao filme "Sofia", criei uma certa expectativa, por conta do prêmio de Melhor Roteiro na seção "Un Certain Regard" em Cannes. Estreia da diretora marroquina Meryem Benm Barek, o filme aborda o tema da criminalização do sexo extraconjugal, no seu país. A personagem título, vivida por Maha Alemi, está prestes a dar à luz, mas seus país não têm ideia dessa realidade.

Quem a ajuda é sua prima médica Lena (Sarah Perles), conseguindo com que ela receba atendimento médico num hospital, por pelo menos, 24 horas. Antes que as autoridades cheguem, exigindo os documentos do genitor, as duas têm que fugir, indo atrás de Omar (Hamza Khafif), suposto pai da criança.

A partir daí, começarão as tentativas de arranjo da situação, para que o casal não seja preso. Basta que Omar aceite casar-se com Sofia, mas a questão não é tão simples, assim. Com algum as reviravoltas, a narrativa vai desvelando a verdadeira personalidade de Sofia: nem pura, nem profana. O problema, talvez, seja a incapacidade de Maha Alemi de alcançar a densidade que a personagem principal exige.

Apesar de protagonista, sua personagem perde terreno para os conflitos estabelecidos entre Lena e sua mãe, Leila (Lubna Azabal). Outro problema, talvez tenha sido a escolha da diretora em expor os problemas sociais que atingem, principalmente, as mulheres no Marrocos, sem esmiuçar a engrenagem que alimenta esse sistema opressor. A experiência de assisti-lo, terminou sendo frustrante.

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Filmes Imperdíveis e Seus Diretores Maravilhosos (ou não!?)

Jacob Cedergren é o protagonista de "Culpa" de Gustav Möller


"3 Dias em Quiberon": embate entre Romy Schneider e a Mídia 


"Ága": tradição e resistência no gelo

"A Árvore dos Frutos Selvagens" novo filme de Nuri Bilge Ceylan 



Durante 10 dias, pretendo assistir a 40 filmes dentro da 42a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Pelo menos, foi o que programei para minha lista de "desejos", ainda que intercorrências possam acontecer, e um ou outro filme tenha sua exibição retirada do evento.

Dentre os títulos, acredito que alguns sejam bastante procurados pelos cinéfilos como "A Favorita" do grego Yorgos Lanthimos, filme vencedor do Grande Prêmio do Júri e da Colpa Volpi de Melhor Atriz para Olivia Colman, no último Festival de Veneza. O filme épico, cuja história se passa na Inglaterra,  no início do século XVIII, conta com um elenco feminino estelar, incluindo além de Colman (ela será a nova Rainha Elizabeth II na nova temporada da série "The Crown"), Emma Stone e Rachel Weisz.

Não menos requisitados serão os ingressos para as cinco sessões do novo filme de Lars Von Trier, "A Casa que Jack Construiu". Quem já viu o filme, de 155 minutos de duração, com Matt Dillon e Bruno Ganz, diz que o diretor dinamarquês não economizou nas cenas violentas. Para os fãs de Lars Von Trier, essa edição da Mostra ainda contará com exibições de três de seus antigos filmes, em cópias restauradas: "Elemento de Um Crime" (1984), "Europa" (1991) e "Ondas do Destino" (1996). 
Para quem nunca os assistiu na telona, é uma ótima oportunidade!!

Outro filme que merece ser conferido é "Em Chamas" do sul-coreano Lee Chang-Dong.  Baseado no conto "Queimar Celeiros" do escritor japonês Haruki Murakami, o longa foi laureado com o Prêmio da Crítica no Festival de Cannes. No centro da narrativa, três personagens: Haemi, Ben e Jongsu, que num dado momento, terão suas vidas severamente modificadas. Este filme é super aguardado, porque é o primeiro do diretor- um hiato de oito anos-, depois do sucesso internacional do tocante "Poesia" (2010).

Praticamente, nos últimos cinco anos de Mostra, teve novo filme do cineasta Hirokazu Koreeda (excepcionalmente, no ano passado, foi cancelada a exibição de "O Terceiro Assassinato"). Este ano, o vencedor da Palma de Ouro em Cannes, "Assunto de Família" poderá ser conferido em quatro ocasiões distintas. O diretor japonês aposta novamente numa história familiar, tendo personagens infantis como molas propulsoras, onde questões de ética e moral são colocadas em xeque. 

Igualmente, imperdível, é a nova produção do cineasta turco Nuri Bilge Ceylan, "A Árvore dos Frutos Selvagens". Mesmo com três horas de duração, o filme deverá atrair a atenção dos amantes do cinema "classudo" de Ceylan, que não se descuida da escrita do roteiro e da escolha dos atores para viverem os personagens complexos de suas tramas., além de ter uma habilidade ímpar na direção. 

A cineasta Emily Atef fez bonito na sua estreia em longas-metragens, com o drama "O Estranho em Mim" (2008), que passou há exatos 10 anos, na 32a edição da Mostra. Este filme, inclusive, foi escolhido pelo Júri Oficial, como o melhor da Mostra de 2008. Quatro anos depois, foi exibido "Kill Me" (2011), um thriller de arrepiar, mostrando que Atef também levava jeito na direção de suspense. Este ano, ela marca presença na 42a  Mostra com "3 Dias de Quiberon", ficção que reconstitui os preparativos para a última entrevista concedida pela atriz Romy Schneider.

Há dois anos, vi um dos melhore filmes da 40a edição da Mostra, "A Rede", do sul-coreano Kim Ki-Duk. Agora, o diretor polêmico chega com nova película "Humano, Espaço, Tempo, Humano", de tom fabular, onde passageiros de diversos perfis -idosos, prostitutas, criminosos- navegam num barco sobre as nuvens. Idolatrado por uns, rechaçado por outros (devido às acusações de assédio) Ki-Duk possui uma filmografia instigante com títulos como "Primavera, Verão, Outono, Inverno e...Primavera" (2003), "Casa Vazia" (2004), "Fôlego" (2007), "Pietá" (2012), entre outros.

Também, não há como ficar indiferente aos novos trabalhos do chinês Jia Zhangke- "Amor Até as Cinzas"-onde ele aposta no tema da máfia, com disputa entre gangues rivais; e do francês Jean-Luc Godard- "Imagem e Palavra"-que desistiu da aposentadoria, prometida há quatro anos, por ocasião do lançamento de "Adeus à Linguagem" (2014).

No que diz respeito aos filmes indicados pelos seus respectivos países, para concorrer a uma vaga na categoria Filme Estrangeiro no Oscar 2019, destaco "Guerra Fria" (Polônia), "Uma Mulher em Guerra" (Islândia), "O Intérprete" (Eslovênia), "A Valsa de Waldheim" (Áustria), "Culpa" (Dinamarca), "Eu Não Me Importo se Entrarmos Para a História Como Bárbaros" (Romênia), "Túmulos Sem Nome" (Camboja), "Roma" (México) e "O Anjo" (Argentina).

Por mais que eu indique títulos de cineastas consagrados, é importante chamar a atenção para os trabalhos de Novos Diretores, que nessa edição, contabilizam 104 filmes e concorrem ao Troféu Bandeira Paulista. Estou apostando em "A Balsa" de Marcus Lindeen, "A História da Pedra" de Starr Wu, "Ága" de Milko Lazarov, "Carmen e Lola" de Arantxa Echevarría, "Querido Ex" de Mag Hsu e Chih-Yen Hsu e "Sofia" de Meryem Benm' Barek.

Tenho pouco mais de uma semana para descobrir se minhas escolhas foram acertadas ou não. Se o títulos que escolhi são, realmente, imperdíveis, independente de serem dirigidos por diretores tarimbados ou iniciantes. A sorte está lançada!!

domingo, 14 de outubro de 2018

Dicas para não perder o Melhor da 42a Mostra Internacional de Cinema de SP

Atenção! Se você, cinéfilo, está indo pela primeira vez à Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, é melhor ficar atento às dicas do Bangalô Cult, sobre como aproveitar ao máximo essa maratona cinematográfica anual, cuja 42a edição começa quinta-feira, dia 18, e prossegue até o dia 31 de outubro.

Filmes

A primeira dica diz respeito à programação (disponível aqui ). Ao todo serão exibidos 336 títulos, dos mais variados países, distribuídos em 22 salas (na capital e interior). É óbvio que não haverá tempo hábil para assistir a tudo em 15 dias, mas você pode compor seu rol de 40 a 50 títulos, com produções premiadas em festivais internacionais e badaladas pela crítica. A chance de se frustrar diminui, consideravelmente, seguindo esses critérios:

-Mire nos premiados (não só na categoria filme, mas ator, atriz, roteiro) do Festival de Berlim, Cannes, Veneza, Locarno, Toronto e Sundance. 

-Ainda sobre os filmes, leia as sinopses, assista aos trailers e pesquisar um pouco sobre os diretores. Muitas vezes, a produção é oriunda de países com pouca tradição audiovisual, mas trazem temáticas interessantes e propostas estéticas inovadoras. Com relação ao cineasta, se a princípio você não lembra do seu nome, a partir de uma checagem de sua filmografia, pode ser que ele já tenha lhe presenteado com obras marcantes. Vale a pena, então, encaixar seu filme na preciosa lista.

-Alguns dos diretores, que não abro mão de conferir os lançamentos de seus filmes, são: Hirokazu Koreeda, Nuri Bilge Ceylan, Jia Zhangke, Lars Von Trier, Jafar Panahi, Emily Atef, Yorgos Lathimos, Mia Hansen-Love, Margarethe Von Trotta, Kim Ki-Duk e Pablo Trapero. Fiquem de olho, suas novas produções constam na programação da 42a Mostra.

-Para finalizar esse tópico, lembrem-se dos filmes que foram escolhidos pelos seus respectivos países, para garantir uma vaga na categoria de Melhor Filme Estrangeiro, no Oscar 2019. Dos 19 títulos que serão exibidos nessa edição da Mostra, destaco o indicado da Dinamarca, "Culpa", o japonês "Um Assunto de Família" de Hirokazu Koreeda; o turco "A Árvore dos Frutos Selvagens" de Nuri Bilge Ceylan; o romeno "Eu Não Me Importo Se Entrarmos Para a História como Bárbaros" de Radu Jude; o mexicano "Roma" de Alfonso Cuarón e o islandês "Uma Mulher em Guerra" de Benedikt Erlingsson.

O ideal é montar uma planilha com datas, locais, títulos dos filmes e horários, para facilitar a compra de ingressos ou credencial e circulação pelas salas, bem como evitar o choque de horário das sessões.

Compra de Ingressos

Se você for comprar uma credencial (que dá direito a um número ilimitado ou limitado de ingressos), ao invés de ingressos avulsos, calcule o número de filmes que você assistirá, num determinado período de tempo e escolha um pacote de 20 filmes (R$ 220) ou 40 filmes (R$ 374). Há também a Permanente Integral (R$ 500), que dá direito a quantos filmes você conseguir assistir. Para mim, assistir a quatro filmes por dia é o ideal, ainda que eu veja cinco títulos de vez em quando. Mas cada pessoa tem que ver o seu limite (para que o cérebro não se desintegre rapidamente) e, a partir desse cálculo, escolher um ou outro pacote.

A vantagem dos pacotes é que você pode trocar os tickets pelos ingressos dos filmes escolhidos, até três dias de antecedência. Essa operação é feita na Central da Mostra localizada no Conjunto Nacional (Av. Paulista) ou no quiosque da Mostra localizado no Shopping Frei Caneca (próximo à bilheteria do cinema). Caso opte pelo ingresso avulso, o trabalho é maior. Você pode comprar, antecipadamente, pela internet (mas há um número limitado de ingressos vendidos na web e acréscimo de taxas) ou diretamente na bilheteria do cinema (tem que chegar pelo menos uma hora antes da bilheteria abrir, para não pegar filas gigantes e garantir os filmes daquele dia, naquela sala).

Escolha das Salas

Evite circular por cinemas diferentes num mesmo dia. Isso faz com que você se canse, andando quilômetros até alcançar o seu destino e corra o risco de chegar em cima da hora (pegando um péssimo lugar na plateia) ou atrasado (perdendo o início da projeção). A lógica seria assistir aos filmes de um mesmo dia, num único local. Por exemplo, na quinta, assistirei aos filmes no CineSesc, na sexta,  no Itaú da Augusta, no sábado, no Itaú Frei Caneca e, assim, por diante.

Priorize espaços como Itaú Frei Caneca (cinco salas disponíveis para a Mostra), Itaú Augusta (sala 1 e anexo 4) ou Cinearte Petrobras (sala 1 e 2), pois você terá uma maior opção de títulos num mesmo endereço. Haverá ocasiões em que o deslocamento de um cinema para outro será inevitável, no entanto, o segredo é escolher endereços próximos e deixar um intervalo de tempo razoável entre as sessões (mínimo de uma hora).

Os cinemas que se situam no quadrilátero Av. Paulista (Cinearte Petrobrás, Instituto Moreira Salles e Reserva Cultural), Rua Augusta (CineSesc, Itaú Augusta), Av. Consolação (Caixa Belas Artes) e Rua Frei Caneca (Itaú Frei Caneca), por conta da relativa proximidade entre eles, são os mais procurados pelos cinéfilos da Mostra. Geralmente, também exibem os melhores títulos da programação.

Alimentação

Qualquer maratona exige um bom preparo físico, boa alimentação e horas de descanso. Por isso, depois do quinto dia de Mostra, com uma média de quatro filmes diários, o corpo tende a esmorecer, caso você esteja forçando demais seu organismo. Não raro, na última sessão do dia, iniciada às 21h30 ou 22h, você pode dar um cochilo providencial para recompor as energias e perder o melhor da película.

O segredo é dormir, pelo menos, oito horas ininterruptas. Tome um café leve e deixe para se alimentar melhor no almoço. A maioria das primeiras sessões diárias começa às 13h30, logo, o almoço terá que ser adiantado para meio-dia e meia ou às 13h, caso a sessão se inicie às 14h. Opte por duas sessões seguidas no início da tarde e deixe um intervalo para a janta entre 17h30 e 19h. Depois das sessões noturnas, que geralmente acabam por volta das 23h ou 23h30, faça um lanche leve e durma pelo menos, uma hora depois.

Não esqueça de se hidratar bem. Sempre leve na mochila uma garrafa de água ou squeeze cheio, cujo conteúdo deve ser reposto ao longo do dia. Compre frutas como tangerina, banana, uva, ameixa e leve como opção de lanche durante as sessões. Evite alimentos que produzam barulho (qualquer coisa crocante) ao mastigar. O público é bem exigente (certíssimo!!) com relação ao silêncio durante a sessão.

Repescagem

Após o encerramento da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo acontece a tradicional repescagem, onde são escolhidos alguns títulos para serem exibidos novamente, em sessões únicas, (geralmente, no CineSesc), durante cinco dias. É a última chance de conferir títulos bem ranqueados pelo público, na votação dos melhores da Mostra ou aqueles que tiveram poucas sessões ao longo da programação. 

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Cinema Vitória recebe mais uma Sessão Vitrine Petrobras

Miguel "Tibars" vai à procura de suas origens em "Djon África"

A partir de hoje, entra em circuito nacional, dentro da Sessão Vitrine Petrobras, o filme "Djon África" da dupla de diretores Filipa Reis e João Miller Guerra. O filme, que aporta no Cinema Vitória com a chancela do Prêmio FIPRESCI do 36o Festival Cinematográfico Internacional del Uruguay, trata de questões imigratórias e identitárias, tendo como personagem principal, Miguel "Tibars" ou Djon África (Miguel Moreira). 

O rapaz de vinte e poucos anos, órfão de mãe, foi criado pela avó em Portugal, sem conhecer seu genitor. Desempregado e sem perspectivas de trabalho no continente, Miguel decide iniciar uma jornada a Cabo Verde, com o intuito de encontrar o pai e se aproximar de suas raízes. A viagem de contornos cômicos é marcada por situações corriqueiras a turistas debutantes em um determinado "sítio".

Miguel tenta  a todo custo se passar por um cabo-verdiano nato, mas o sotaque carregado, seu desconhecimento em relação a alguns costumes locais e à realidade familiar, colocam-no num lugar de estrangeiro. Ainda assim, Miguel deseja conhecer o pai, com o qual se parece fisicamente e na maneira de agir, segundo sua avó. Vai até Tarrafal- localidade da Ilha de Santiago, no arquipélago de Cabo Verde-, onde o seu genitor foi visto pela última vez.

Se não consegue ter informações mais concretas do paradeiro do pai, aproveita para conhecer simpáticos nativos que o incentivam a ficar na ilha. É o caso de uma senhora solitária, que conhece numa balsa, e o convida a ajudá-la nos afazeres rurais, dando em troca moradia e alimentação. Miguel, a princípio, não tem nada a perder e aceita a proposta. No entanto, recebe um telefonema da namorada, residente em Portugal, que o faz tomar uma decisão importante.

O tema da imigração já foi explorado por Filipa Reis e João Miller Guerra no documentário "Li ké Terra" (2010). Nesse filme, eles acompanharam um pouco da vida dos jovens  Miguel Moreira e Ruben Furtado, dois descendentes de imigrantes cabo-verdianos, que residem ilegalmente em Portugal. Em "Djon África", Miguel volta ao centro do conflito, mas agora, a arte parece imitar a vida, com sua história pessoal confundindo-se com a do seu personagem ficcional.

Se no início, a narrativa de "Djon África" flui, naturalmente, muito por conta de Miguel, figura carismática que de pronto faz com que o espectador embarque junto em sua jornada, na última terça parte do filme, o fio condutor parece se perder, com os diretores mais preocupados em explorar visualmente a topografia da região, do que se aprofundar nos dramas internos do personagem. Ainda que a resolução careça de um lampejo criativo, "Djon África" merece ser conferido, sobretudo pela força do cinema português na contemporaneidade.

O filme terá sessão no Cinema Vitória (Rua do Turista) hoje, às 17h20; sábado, às 14h e segunda-feira, às 15h30.

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

42a Mostra Internacional de Cinema de SP divulga a lista de Filmes Selecionados

Daqui a uma semana será iniciada a programação da 42a Mostra Internacional de Cinema de SP, que esse ano, acontecerá de 18 a 31 de outubro, excepcionalmente, antes do Festival do Rio. Ao todo, serão exibidos 331 títulos em diversos locais, incluindo salas de cinema, espaços culturais e museus da capital paulista, numa programação dividida em seis seções: Apresentações Especiais, Mostra Brasil, Perspectiva Internacional, Competição Novos Diretores, Homenagens e Restaurações.

Desse universo, 19 títulos são pré-candidatos a uma vaga no Oscar 2019, na categoria de Filme Estrangeiro. Dentre eles, o brasileiro "O Grande Circo Místico" de Cacá Diegues; o dinamarquês "Culpa" de Gustav Möller; o japonês "Um Assunto de Família" de Hirokazu Koreeda; o turco "A Árvore dos Frutos Selvagens" de Nuri Bilge Ceylan; o romeno "Eu Não Me Importo Se Entrarmos Para a História como Bárbaros" de Radu Jude; o mexicano "Roma" de Alfonso Cuarón e o islandês "Uma Mulher em Guerra" de Benedikt Erlingsson.

Além disso, há filmes premiados em importantes festivais internacionais, que também poderão ser vistos nessa edição da Mostra. É o caso do novo filme assinado pelo francês Jean-Luc Godard, "Imagem e Palavra", que recebeu a Palma de Ouro Especial; "Infiltrado na Klan" de Spike Lee, que recebeu o Grande Prêmio do Festival de Cannes; "Guerra Fria" do polonês Pawel Pawlikowski, melhor diretor no Festival de Cannes deste ano; "3 Faces" de Jafar Panahi, que recebeu o prêmio de Melhor Roteiro e "Capernaum" de Nadine Labaki, que levou três prêmios em Cannes: do Júri, do Júri Ecumênico e de Cidadania.

A coprodução brasileira e portuguesa, "Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos" de Renée Nader Messora e João Salaviza recebeu o prêmio do Júri na Mostra Um Certo Olhar  e "Sofia" de Meryem Benm' Barek foi escolhido o filme com melhor roteiro, nessa mesma Mostra do festival francês. Há também títulos que se destacaram no Festival de Berlim e de Veneza cujas sessões devem ser disputadas pelos cinéfilos. É o caso de "Não Me Toque" de Adina Pintilie (Urso de Ouro e prêmio de Melhor Primeiro Filme), "O Rosto" de Malgorzata Szumowska (Urso de Prata) e "A Valsa de Waldheim" (Melhor Documentário), todos premiados na Berlinale e "Roma" de Alfonso Cuarón (Leão de Ouro) e "A Favorita" de Yorgos Lanthimos (Grande Prêmio do Júri e da Copa Volpi de Melhor Atriz para Olivia Colman).

Há também filmes premiados no Sundance como "O Mau Exemplo de Cameron Post" de Desirre Akhavan (Grande Prêmio do Júri de Drama), "Sobre Pais e Filhos" de Talal Derki (Grande Prêmio do Júri de Documentário), "Isto É Um Lar: Uma História de Refugiados" de Alexandra Shiva (Prêmio do Público de Melhor Documentário) e "Culpa" de Gustav Möller (Prêmio do Público de Melhor Filme Dramático) que estão garantidos na programação da 42a Mostra Internacional de São Paulo.

Para quem já está acostumado a acompanhar, intensamente, a correria do evento cinematográfico, sabe que os filmes premiados, mundo afora, são os mais procurados pelo público. Por isso, quando a grade de programação for divulgada, priorize esses títulos ao montar sua agenda. Também, prestem atenção aos filmes oriundos de países da Ásia, África e norte da Europa, pois são mais difíceis de entrar em circuito nacional posteriormente. 

A lista completa dos títulos selecionados para a 42a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo pode ser conferida no link abaixo:

http://42.mostra.org/br/jornal_interno/1973-42a.-Mostra-Internacional-de-Cinema-divulga-filmes-selecionados

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

"A Moça do Calendário" terá sessão com debate no Cinema Vitória


Inácio encontra a Moça do Calendário no filme de Helena Ignez 


Amanhã, às 17h45 (horário confirmado), no Cinema Vitória, o filme "A Moça do Calendário" de Helena Ignez terá sessão seguida de debate com a presença do ator André Guerreiro Lopes. O quinto longa-metragem da atriz e diretora baiana é baseado num roteiro de Rogério Sganzerla, escrito nos anos 1980. Helena Ignez adaptou-o para os dias atuais e aborda temas como a reforma agrária, luta de classes e questões de gênero.

A trama acompanha Inácio (André Guerreiro Lopes), ex-gari, dublê de dançarino e mecânico desmotivado que trabalha numa oficina de carros e sonha com a Moça do Calendário (Djin Sganzerla). Casado e sem filhos, Inácio perambula pela capital paulista, antes do trabalho, encontrando velhos amigos e discute sobre o cotidiano, sem deixar de aludir a questões urgentes. Por conta disso, geralmente, chega atrasado ao trabalho e vive na iminência de perder o emprego. 

Sua fuga da realidade faz-se através de seus sonhos com a Moça do Calendário, musa de seus desejos e fantasias. Quando a encontra, porém, ela o faz refletir sobre suas contradições, ainda que as situações tenham um toque de humor. Helena Ignez defende a criação de uma sociedade anticapitalista, na qual não existam desigualdades sociais. E nesse filme, lança mão do espírito  anárquico, para dar seu recado também de cunho feminista.

O debate será mediado por mim e contará com as presenças do ator André Guerreiro e do professor da UFS, Romero Venâncio. O Cinema Vitória localiza-se à Rua do Turista, centro de Aracaju.