quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Passeio pelo Sena, Louvre e D'Orsay

Suyene Correia no interior do Museu do Louvre


Pirâmide do Museu do Louvre

Suyene Correia em frente às Bodas de Canaã

Suyene Correia em frente à Balsa da Medusa_

Se você nunca foi a Paris antes (ou mesmo já conhece e tem muito tempo que visitou a cidade) três programas são imperdíveis (na verdade, uma dezena deles são, mas se tiver pouco tempo, não deixe de fazer esses): passear pelo Rio Sena num daqueles Bateaux Mouche, visitar o Musée du Louvre e o Musée D'Orsay.

Muitos fazem o passeio durante o dia pelo Rio Sena, mas acredito que a experiência à noite pode ser mais emocionante, principalmente, pela oportunidade de flagrar belos ângulos das edificações iluminadas como o próprio Musée D' Orsay, Musée du Louvre, das várias pontes que cortam o rio a exemplo da Neuf, de L'Alma, Alexandre III e da Torre Eiffel.

Como vocês devem ter percebido, pelas fotos postadas aqui, até agora, o tempo em Paris não estava dos melhores. Muitos dias nublados e um vento gélido que insistia em soprar em nossos rostos. Na noite que fomos navegar pelo Sena, a sensação térmica era de uns 7 a 8 graus. Não sei ao certo quanto os termômetros marcavam, mas não foi fácil sair da cabine aquecida e ir para o relento a fim de tirar umas fotos.
Poucos desses registros ficaram bons de fato, parte por conta da tremedeira pelo frio, parte por conta da emoção de estar navegando num dos mais famosos rios do mundo.

Se o internauta tem pouco dia na Cidade Luz, abra mão de alguns passeios, mas não deixe de conhecer o Musée du Louvre e o D'Orsay. O primeiro é simplesmente o maior museu do mundo e mesmo que você   já tenha lido muito sobre ele, já tenha visto dezenas de fotos do seu interior e parte externa e ilustrações das relíquias que ele abriga em seu interior, nada traduz a emoção de percorrer seus corredores que guardam peças da antiguidade oriental, egípcia, grega, romana, etrusca, além de pinturas, esculturas, objetos de arte e artes gráficas e africana, asiática, além da islâmica.

Lógico que não dará tempo de ver nem 1/50 do que existe lá dentro, a dica é já chegar por lá, sabendo exatamente quais suas prioridades. Será a pintura holandesa, francesa ou italiana ? E qual período? Renascimento, Romantismo, Modernismo ? Prefere escultura ou pintura ? Ou acha melhor se deter nos objetos de arte?

Se ficar mais de cinco dias, reserve duas visitas ao Louvre pelo menos. Agora, só uma curiosidade: você é daqueles que como eu, não faz muita questão em ver a "Monalisa" ? Então, entre na sala dela, só para se extasiar com "Bodas de Canaã" de Veronese. Um escândalo de lindo... e parece que é o de maior dimensão do Louvre.

O meu preferido "A Balsa da Medusa" de Géricault eu demorei para encontrar, mas mesmo tendo "A Coroação de Napoleão" de Davi em frente e "A Liberdade Guiando o Povo" de Delacroix  ao lado, meus olhos só enxergavam as pinceladas de Géricault. Ganhei meu dia...
Museum D'Orsay_foto Suyene Correia
Pont L'Alma_foto Suyene Correia
Museum D'Orsay_interior_foto Suyene Correia
Museum D'Orsay_relógio_foto Suyene Correia
Antes de chegar ao Musée du Louvre, demos uma passada rápida (infelizmente) no Musée D'Orsay. Antiga estação ferroviária, o belíssimo prédio situado à margem esquerda do Sena (do outro lado avista-se o Louvre e o Jardin des Tuileries) abriga obras de Camile Claudel, Van Gogh, Gauguin, Degas, Renoir, Toulose-Lautrec, Matisse, entre tantos outros gênios. 

Apesar de bem menor que o Louvre, o D'Orsay também tem um acervo rico e peculiar. É parada obrigatória, apesar dos fotógrafos terem muita dificuldade em registrar em seus equipamentos a riqueza cultural que ali se encontra. A fiscalização é ferrenha, bem distinta do Louvre, onde fotografar tudo, parece ser um favor que fazemos à instituição.

Legenda da Foto 1: A blogueira no interior da pirâmide do Louvre

Legenda das Fotos 2 e 3: O Musée du Louvre em ângulos diversos

Legenda da Foto 4: A "Mona Lisa" pode ter seus encantos, mas não me arrebatou como "As Bodas de Canaã"

Legenda da Foto 5: Entre galerias labirínticas, eis que deparo-me com minha pintura predileta "A Balsa da Medusa" de Géricault

Legenda da Foto 6: O Musée D'Orsay visto do outro lado do Sena

Legenda da Foto 7: Pont L'Alma a que vai nos levar do Jardin des Tuileries até o D'Orsay. Reza a lenda que se você cravar as suas iniciais com as do amado (a) num cadeado e colocar lá, é amor eterno.

Legenda da Foto 8: A blogueira em frente à propaganda da exposição temporária no D'Orsay

Legenda da Foto 9 e 10: Interior do D'Orsay e detalhe do relógio que outrora marcava a hora de chegada e partida dos trens naquela antiga estação

2 comentários:

Lica Melo disse...

aaai que delícia! Adorei o post, quando eu fui a Paris só passamos 2 noites, tempo infinitamente curto para uma cidade tão maravilhosa e cheia de cultura! Através do seu post fiquei conhecendo bem mais coisas do que já sabia, e percebi que mesmo do básico, não vi 1% do que Paris tem a oferecer, tenho que voltar em breve.. (acompanhada, de preferencia! muito romântico! ahahha)

Bangalô Cult disse...

Lica, vc tem que voltar, mesmo. Eu já estou contando os dias para meu retorno àquela cidade linda, romântica e com uma ótima culinária.
Se fores acompanhada (melhor ainda), mas se não der, Paris será sempre encantadora.
Olha, ainda tenho muito o que comentar, são muitas histórias, mas tentarei resumir logo tudo, senão perco o "time".
Bjs