domingo, 14 de dezembro de 2008

A 3a Virada foi a melhor até agora...

Saí do Cinemark, hoje pela manhã, por volta das 7 h. Sono? Não vou negar que estava cansada, mas se tivesse a projeção de mais um filme da qualidade dos que foram apresentados, nesta terceira edição da Virada Cinematográfica, provavelmente eu encararia o desafio de conferi-lo, depois de degustar o maravilhoso café da manhã preparado pelo Ágape.
Roberto escolheu bem a trinca de películas a serem exibidas, tendo esta edição, uma novidade: como ele tinha a cópia do filme "Do Outro Lado" disponível, terminou proporcionando ao espectador, a escolha do que assistir na última sessão.
O referido filme turco-alemão ou a cinebiografia de Ian Curtis, "Control". Preferi assistir ao drama dirigido por Fatih Akin, que lembra muito a narrativa do também belíssimo "Os Amantes do Círculo Polar"de Julio Medem. Dramático, emblemático, a produção de 2007, ganhou o prêmio de Melhor Roteiro no Festival de Cannes e diga-se de passagem, bem merecido.
Não vou discorrer muito sobre ele, porque segundo, Roberto Nunes, coordenador do Cine Cult e das Viradas Cinematográfics (a próxima deve acontecer no dia 24 de janeiro), esses filmes deverão entrar em breve na programação do Cine Cult (diariamente, às 15h10, no Cinemark).
Quanto ao filme surpresa, "Feliz Natal", primeiro trabalho de Selton Melo na direção, o grande ator brasileiro preferiu arriscar na estréia, comandando um filme extremamente sufocante, angustiante, com personagens "perdidos", sem nenhuma perspectiva.
Resgatando atores que estavam fora das telas por um bom tempo, exemplo de Paulo Guarnieri, Lúcio Mauro, Darlene Glória, Melo mostrou que se entrosou bem com seus pares e conseguiu extrair deles, interpretações contidas, mas cheias de intensidade. Selton, inclusive, deverá aparecer por aqui, no mês de janeiro, mais precisamente na inauguração do Cinemark Riomar (15 de janeiro), para a estréia do seu filme em circuito comercial.
Vamos torcer para que ele venha mesmo. Ainda que com todas essas caracterísicas acima citadas, o filme vale a pena ser visto. Mas dificlmente será revisto pelos mais sensíveis, devido ao seu caráter pessimista.
O primeiro da madrugada foi o ótimo "Leonera" de Pablo Trapero. Mais uma vez o cinema argentino mostra porque é um dos melhores da América Latina (porque não dizer, do mundo) com seu casting de atores de primeira, diretores seguros e roteiros bem arquitetados.
Com uma participação especial, Rodrigo Santoro dá as caras de novo numa produção internacional e, se continuar assim, "de ponta em ponta", pode alcançar um patamar, como já chegaram Javier Bardem e Penélope Cruz.
Agora, é esperar a próxima virada, que pelo andar a carruagem, já se consolidou em nosso Estado. Nos encontraremos por lá.

Suyene Correia

Um comentário:

rmcta disse...

Só para registrar que "Control" também é muito bom