segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Saindo da Hibernação


Excelente essa notícia de início de semana. A de que a Praça São Francisco, localizada no coração do município de São Cristóvão, tornou-se Patrimônio Histórico da Humanidade. Decisão tomada pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e divulgada ontem, à tarde, em Brasília, durante a realização da 34a sessão aberta pelo Patrimônio Mundial da UNESCO.

A vitória foi sofrida, tendo em vista que desde 2007, quando a candidatura foi lançada, o povo sancristovense e os sergipanos em geral, torciam para que os requisitos fossem preenchidos, a fim de que a Praça fosse reconhecida pela UNESCO. Várias obras foram realizadas (união das forças do Governo federal, Estadual e Municipal) com o intuito desse objetivo ser alcançado.

A partir de agora, São Cristóvão- a quarta cidade mais antiga do Brasil e que foi a primeira capital de Sergipe- tem tudo para deslanchar, sair do limbo, culturalmente falando. Sim, porque com os holofotes voltados para esse conjunto arquitetônico de mais de  400 anos, com características espanholas e que abriga entre outros, o Museu de Arte Sacra, o Convento e a Igreja de São Francisco, Palácio Provincial e o Museu Histórico de Sergipe, pensa-se automaticamente em crescimento do turismo, desenvolvimento da cidade, melhoria de condições de vida para a população e, quem sabe, do retorno ao calendário cultural do Estado do Festival de Arte de São Cristóvão (FASC).

É claro, que os benefícios são muitos, mas em contrapartida, é preciso que o esforço seja grande e contínuo para que a Praça São Francisco não perca o título de Patrimônio Histórico da Humanidade. Quem pensa que uma vez obtendo-se o título de Patrimônio da Humanidade, este não pode ser tirado, está enganado.

A UNESCO monitorará o andamento da conservação do patrimônio público e, se esta não for adequada, São Cristóvão sairá da lista de beneficiados. Mas o momento é de comemorar e ter consciência que essa honraria é para pouquíssimos (no Brasil só existem 18 sítios inscritos na lista), a exemplo do Parque Nacional da Serra da Capivara, Centro Histórico de Olinda, Centro Histórico de Ouro Preto, Ruínas de São Miguel das Missões, entre outros.

Será que São Cristóvão deixará de ser uma mera cidade dormitório ??? Oxalá.

Texto: Suyene Correia

Foto: Visão noturna da Praça São Francisco (divulgação)
Postar um comentário