sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Ensaio Sobre a Cegueira Explora a Natureza Humana

Nossa!!!! Não é fácil assistir a esse filme de Fernando Meirelles e sair do cinema sem estar com cabeça envolta em um turbilhão de pensamentos. Aqui, não interessa se é cego, se enxerga, se é negro, branco, de classe social mais alta ou da periferia. O que interessa é perceber o quanto nós, somos vulneráveis a situações limites: fome, limitação, privação sexual, etc.
Mas isso, muitos outros filmes já mostraram. O que teria esse de diferente ?
Antes de mais nada, é bom avisar aos internautas que eu não li o livro de José Saramago, do qual o filme se baseia. Fui com uma expectativa de ver um produto bom, acima da média, pelo que li na mídia nacional. Confesso que esperava mais, um resultado mais arrebatador, porém a direção de Meirelles é segura e cada vez mais distante da maioria dos diretores brasileiros.
Pontos Altos do filme: Fotografia única de César Charlone; música marcante de Marco Antônio Guimarães e Uakti; interpretação na medida de Julianne Moore e muito boa de Alice Braga, direção de Meirelles.
Pontos Baixos: talvez o fato de algumas cenas lembrarem o caos instalado em filmes como "Extermínio" (bom comparativo), "Fim dos Tempos" e "A Volta dos Mortos Vivos" (comparação duvidosa).
Um colega meu que estava ao meu lado, na sessão das 16h20 ( a primeira do dia foi suspensa, porque o filme chegou com atraso), disse que o livro é ligeiramente melhor, mais completo.
Para mim, que não li ainda, não ficou esse gostinho de quero mais. Ainda que na maioria das vezes em que se adapta um livro para as telas, os comentários negativos beirem esse ponto.
Depois de um mês de espera, é melhor vocês correrem para conferir esse filme inusitado, pois se ele depender do público para dobrar mais uma semana (na minha sessão tinha uma média de 20 pessoas), essa será a única.

Suyene Correia
Postar um comentário