sábado, 12 de dezembro de 2009

Por Quê os bichos têm que Virar Gente???


Por pouco eu não ovacionava "A Princesa e o Sapo" , na tarde de hoje, assim que o filme estava prestes a acabar na sala 6 do Cinemark Jardins. A nova animação da Disney, que foi vendida aos quatro cantos do planeta como "a primeira animação que traz uma princesa negra", poderia realmente superar as últimas produções do estúdio (mesmo com a parceria da Pixar), se não fosse por um detalhe: insistir no politicamente correto.

Ter uma princesa negra como protagonista, nos tempos atuais, em que Obama é presidente dos E.U.A. não parece ser grande coisa, mas se os sapos pudessem viver juntos e felizes para sempre (como anfíbios), aí sim,  seria maravilhoso...Por quê a Fera tem que virar Príncipe ? Por quê os sapos têm que virar realeza?

Bom, tirando essa "pequena grande" derrapagem, a animação é muito boa. Muito bem elaborada no que tange ao traço (tradicional), composição de cores e personagens, ambientação da estória. Colocar como pano de fundo uma New Orleans dos Anos 20, com todo o seu magnetismo, explorando o Rio Mississipi, a música jazzística e a gastronomia francesa (como a culinária tem invadido os filmes em geral nos ultimos anos, hein?) se configurou como um tiro certeiro, principalmente para o público adulto.

Além do que, temos a rara oportunidade de conferir a morte de um dos personagens, com direito a um cortejo fúnebre de arrepiar (confesso que derramei algumas lágrimas, para variar) e a abordagem de um assunto um tanto tabu, como é o caso da prática Voodo. Mas o ritmo um pouco lento (no meio da trama), alguns clichês aqui e acolá e o desfecho óbvio é que me fizeram recuar na vibração esfuziante e ter saudades da Dreamworks, com o seu irreverente Shrek

De qualquer forma, a animação, dirigida por Ron Clements e John Musker, impressiona e cativa pelos seus personagens principais e secundários (principalmente, o vaga-lume e o crocodilo), além do que parece contar com uma trilha muito boa (ouvindo as canções traduzidas, tudo soa meio deturpado).

Na versão legendada (que não chega por aqui), é possível conferir as vozes de Anika Noni Rose de "Dream Girls" como Tiana (a princesa negra), Jennifer Lewis (Mama Odie), Príncipe Naveen (Bruno Campos), Keith David (Dr. Facilier) e Charlotte (Jennifer Cody). A canção principal "Never Nkew I Needed" é interpretada pelo cantor Ne-Yo (não saiam antes dos créditos finai porque ela é tocada na íntegra).

Para um fim de ano de atrasos de estreias cinematográficas na cidade, vale a pena ver e rever "A Princesa e o Sapo", ainda que a "Revolução dos Bichos" aqui, não seja páreo para a decisão dos Estúdios Disney.

Texto: Suyene Correia

Foto: Um par perfeito, se não fosse a Disney

2 comentários:

ALAN ADI hoje disse...

shrek 4 já!

Lara Aguiar disse...

É...justamente por achar clichê que não me interessei de ir assistir... Então, que venham mais Shrek's, Madagascar's e A era do gelo 4, 5, 6...rs