domingo, 28 de fevereiro de 2010

7, 6, 5, 4, 3, 2, 1...dias para o Oscar

Faltam exatos sete dias para a entrega da "estatueta dourada" em Los Angeles e como o Bangalô Cult está com a Promoção Oscar 2010, nada mais justo do que até o domingo que vem, comentarmos sobre os indicados e os não-indicados (injustiçados) para esta premiação. 

Nesta última categoria, chamo a atenção para o compositor polonês Abel Korzeniowski, responsável pela trilha  de "O Direito de Amar" ("A Single Man"), que apesar de ter sido indicado para o Globo de Ouro, foi completamente esquecido na escalada do Oscar.

Ele poderia muito bem estar no lugar de James Horner ("Avatar") ou de Marco Beltrami e Buck Sanders ("Guerra ao Terror") que competem na categoria Melhor Trilha Original, juntamente com Alexandre Desplat ("O Fantástico Sr. Raposo"), Hans Zimmer ("Sherlock Holmes") e Michael Giacchino ("Up-Altas Aventuras"). Mas, inexplicavelmente, suas composições melodicamente belas foram desprezadas pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

No CD, com 19 faixas, tem-se 11 de autoria de Abel Korzeniowski, quatro compostas por Shigeru Umebayashi e quatro canções bastante conhecidas do público: "La Wally" (Miriam Gauci), "Stormy Weather" (Etta James), "Green Onions" (Brooker T. & The MG's) e "Blue Moon" (Jo Stafford).

Nas composições instrumentais de Abel, o naipe de cordas tem destaque, imprimindo dramaticidade em algumas situações e docilidade em outras. Há melancolia e nostalgia agregadas aos acordes de algumas delas, tendo em vista o tema de paixão e morte na trama. Agregado a tudo isso, o talento de Umebayashi (colaborador do cineasta Zhang Yimou), mas que aqui cede a autoria da trilha ao polonês.

Ainda que o filme de Tom Ford, com Colin Firth (indicado ao Oscar de Melhor Ator) e Julianne Moore não tenha aportado por aqui, vale muito a pena conhecer o talento desse promissor compositor. Quem sabe até, já encomendar o CD original do filme. Seus ouvidos irão agradecer...

Texto: Suyene Correia
Postar um comentário