segunda-feira, 12 de julho de 2010

Frida Kahlo em Fotos



Muito já foi publicado sobre Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón, ou simplesmente, Frida Kahlo, mas até, recentemente, quando a CosacNaify lançou o belíssimo livro "Frida Kahlo Suas Fotos", nunca se tinha visto tanto material inédito reunido e lançado de uma só vez sobre a pintora mexicana. 

Não só este livro rico em mais de 500 fotos relacionadas à artista foi muito alardeado pela imprensa recentemente (aproveitando a passagem da data de seu nascimento-06/07 e amanhã, de morte- 13/07), como também do relançamento quase simultâneo de "Diego e Frida" de J.M.G Le Clézio (Editora Record).

Nesse primeiro momento vou enfocar o livro imagético que é dividido em sete partes: Origens, Papai, A Casa Azul, O Corpo Dilacerado, Amores, A Fotografia e Luta Política. Em cada uma delas, o leitor e apreciador da artista plástica irá se surpreender com imagens que revelam muito da personalidade de Frida e sua escolha estética. Além de fotografias (algumas de autoria da própria Kahlo), os capítulos são acompanhados de textos de Masayo Nonaka, Gaby Franger/Rainer Huhle, Laura González Flores, Maurício Ortiz, James Oles, Horacio Fernández e Gerardo Estrada, que revelam certas peculiaridades da artista.

Por exemplo, os autoretratos que seu pai Guillermo Kahlo costumava produzir, sobremaneira ajudaram na predileção de Frida por retratar a si própria em seus trabalhos, aliado aos seus vários períodos de convalescença. A escolha por se caracterizar de tehuana (pertecente ou relativo a Tehuantepec, distrito do Estado de Oaxaca no México) muito mais do que agradar ao seu marido, Diego Rivera, era uma espécie de homenagem aos seus ancestrais maternos indígenas.

Seu relacionamento estreito com o pai Guillermo também possibilitou que desde cedo, estivesse familiarizada com a nova arte surgida no século XIX. Mais tarde, o tropismo pela fotografia foi acentuado pelos laços de amizade com profissionais da área como Tina Modotti, Edward Weston, Nickolas Muray, Martin Munkácsi entre outros, que chegavam a dar dicas de como utilizar certos tipos de filme e revelá-los.

Não só a intimidade de Frida pode ser melhor compreendida através dessas imagens, mas também o universo político e social em que ela estava inserida. Independente de alguns acharem sua arte menor (comparativamente ao do seu grande amor, Rivera- opinião que eu não compactuo), "Frida Kahlo Suas Fotos" é obrigatório na biblioteca de exploradores de tesouros.

Texto: Suyene Correia

Foto 1: Capa do Livro "Frida Kahlo Suas Fotos"

Foto 2 : Diego Rivera em seu ateliê de San Angél, com intervenção de Frida Kahlo (marca de batom)

Foto 3: Frida Kahlo na Casa Azul em 1930
Postar um comentário