quinta-feira, 17 de março de 2011

Fim do Belas Artes ?

O Belas Artes, um dos cinemas mais antigos e tradicionais da cidade de São Paulo, na esquina da Consolação com Paulista, anunciou para hoje, 17 de março, o encerramento de suas atividades depois de um ano de funcionamento sem patrocínio.

Isto não significa o fim definitivo do Belas Artes. “A proposta de difundir o que há de melhor na cinematografia mundial, ofício acompanhado apaixonadamente por cinéfilos de tantas gerações, não deixará de existir, já que estamos em busca de um novo endereço”, afirma André Sturm, sócio-proprietário e programador oficial do cinema.
Desde janeiro, André está em intensa negociação com os advogados do proprietário do imóvel onde o cinema funciona, porém não chegou a um acordo em relação ao valor do aluguel. Com isso, as últimas sessões do cinema de quinta-feira, das seis salas do Belas Artes, exibirão seis grandes clássicos da filmografia mundial, homenageando os fãs do cinema.
"No Tempo do Onça", que reúne os irmãos Marx e reis da comédia: Groucho, Chico e Harpo, foi dirigido por Edward Buzzell, compositor e ator, que se tornou estrela da Broadway.
Estrelado por Rudolph Valentino, "O Águia", do diretor Clarence Brown, mostra a rebeldia de um soldado russo que é rejeitado por uma imperatriz. Brown, dirigiu a estrela Greta Garbo em dois dos seus maiores sucessos: "A Carne e o Diabo" e "Anna Karenina".
O filme italiano "Queimada!" é uma aventura histórica, que ocorre numa ilha ficcional nas Caraíbas, que pertencia a Portugal. Baseado na história do Haiti, o longa é protagonizado pela galã Marlon Brando e dirigido por Gillo Pontecorvo, conhecido por A Batalha de Argel. 
"O Leopardo" é o filme mais pessoal de Luchino Visconti. A história é ambientada nos anos 1860, quando a Itália vivia umas das épocas mais conturbadas do país, conhecida por Risorgimento. Toda a essência da obra viscontiana passa por este clássico do cinema, já que Luchino era aristocrata de nascimento, comunista por convicção, e se considerava um homem fora do seu tempo.
"O Joelho de Claire", melhor filme em San Sebastian, indicado ao Globo de Ouro de filme estrangeiro e Prix Louis Delluc, é um dos melhores trabalhos do diretor Eric Rohmer . O forte de "O Joelho de Claire" não é a ação, mas os diálogos e as belas paisagens do charmoso Lago de Annecy, que fica no leste da França, bem próximo aos Alpes.
Para finalizar, não há como deixar de fora o incrível Federico Fellini e sua a obra prima "A Doce Vida", filme vencedor da Palma de Ouro de 1960.  Ambientado em Roma, "A Doce Vida" conta a história de um jornalista de origem humilde, que enfrenta uma crise de consciência por estar sempre atrás de fofocas da alta sociedade, usando-as como fonte para seus artigos. O protagonista é Marcello Mastroianni, considerado o maior ator da Itália e um dos melhores atores de todos os tempos.

Uma pena o fechamento desse complexo de seis salas, que tive a oportunidade de visitar na minha estada em Sampa, no último carnaval. Que as poucas salas de cinema de rua daquela cidade (Cinesesc, Espaço Unibanco, Cine Olido, Marabá) consigam se sustentar ainda por muitos anos. Oxalá!
Postar um comentário