domingo, 3 de janeiro de 2010

Cinema sem Escalas (Aracaju-Salvador)




Lembro-me da época em que as socialites sergipanas excursionavam até Salvador, a fim de assistir aos espetáculos internacionais que aportavam no Teatro Castro Alves e, nem por sonho, chegavam em Aracaju.
Essas viagens aconteceram com uma certa frequência na década de 90 até o início deste século, quando o Teatro Tobias Barreto ainda não tinha sido inaugurado.

Agora, que chegam companhias de dança da Rússia, China, EUA, Espanha e Argentina , no nosso pequeno Estado, o que falta por aqui é uma boa safra de filmes de qualidade. Mesmo com a "disputa" entre Moviecom e Cinemark até dois anos atrás, não constatamos de fato uma concorrência entre os multiplexes, de modo que praticamente a programação de um, era a do outro. Agora, com o monopólio do Cinemark é que as coisas vão de mal a pior.

Com isso, parece que a salvação é juntar um dinheirinho (não faço parte da high society) e me deslocar para a capital baiana para por em dia a programação cinematográfica. Senão vejamos: dos 25 filmes em cartaz por lá, 13 ainda não estrearam por aqui e, só Deus sabe, quando poderemos conferi-los na telona.

Entres os títulos inéditos nos cinemas sergipanos, "Coco Antes de Chanel"  ( há dois meses em cartaz no Brasil), "Julie & Julia" (quase o mesmo tempo em cartaz no país), "Abraços Partidos" (novo filme de Almodóvar), "Procurando Elly" (filme iraniano premiado no Festival de Berlim), "Casamento Silencioso", "Ervas Daninhas" (novo filme de Alain Resnais), "É Proibido Fumar" (grande vencedor do Festival de Brasília), "Cidadão Boilesen", "Hanami- Cerejeiras em Flor", "Fados", "O Solista", "Contatos de 4o Grau" (esse deve passar aqui em breve) e "No Meu Lugar".

O Oscar já está chegando e, pelo "andar da carruagem", seremos mais uma vez os últimos a conferir os premiados. Alguém tem dúvida ???

Texto: Suyene Correia

Foto: Cena de "Procurando Elly" premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim de Melhor Direção para Asghar Farhadi

4 comentários:

Marcinha disse...

Para quem gosta de cinema, é quase desesperadora essa situação do nosso Estado. Abraços Partidos, Julie&Julia, Coco (???) Chanel: filmes superesperados que não devem chegar, infelizmente, por aqui. Acho que vou virar adepta das viagens a Salvador para atualização cinematográfica!!! Isso com tantas salas em Aracaju a passar Xuxa e o mistério da feiurinha...

Bangalô Cult disse...

Pois é Márcia, a situação tá feia. E ainda tem gente que acha que a cultura local anda bem.
Aqui tem Festival de Teatro? Tem Festival de Dança, com a presença de Companhias de outros Estados ?
Tem grandes exposições de Artes Plásticas?
Estamos fora do circuito cultural e só nos resta sair a campo e tentar diminuir o atraso, dando uma "chegadinha" até o Rio, Salvador, Recife, São Paulo onde as coisas andam melhor.

rmcta disse...

Acho que você deve comentar também a projeção e o som de qualidade duvidosa de nossos cinemas. Cansei de assistir a filmes que começam com a imagem trocada (a parte de cima,embaixo e vice-versa). E que tal ver Avatar com a trilha sonora praticamente inaudível? (Aconteceu comigo).Não dá nem para sair da sala e ir reclamar, porque ninguém se importa e você ainda perde o filme.
Rui

Bangalô Cult disse...

Pois é, Rui, você não é o único que já foi testemunha ocular dessas falhas nos cinemas daqui.
Fui assistir a "Lula- O Filho do Brasil" na última sexta-feira e tive que sair da sala e avisar a um funmcionário, que a lente do projetor estava trocada (imagem achatada).
Como se não bastasse, lá pelas tantas, as luzes do cinema se acenderam (o que não é a primeira vez que acontece numa sessão em que estava presente) enquanto o filme ainda estava sendo projetado.
Fui ver "Avatar" pela primeira vez, na sala 8, e o som estava muito bom, porém semana passada fui revê-lo na sala 4 e a diferença do áudio era gritante.
Parece que estamos fadados a ficar com as piores salas e os piores equipamentos do grupo Cinemark pelo Brasil.